Amandome

Fecho os olhos

Respiro

Escrevo tentando transcrever

o ato de amor que acabei de cometer

Ato esse que

me lembra

me conecta

me inspira a agradece

aos Deuses

à Vida

à esse corpo

O prazer que sou capaz de sentir

me faz em Deuses acreditar

forças divinas que me abençoaram

com esse presente chamado sentir

me lembrando que tambem o sou

Me dá forças

Me inspira para criar

Me ajuda a valorizar a vida

Meu corpo

Meu sexo

agora

comigo

me sussurrando palavras gostosas

me dando beijinhos nos ombros

esse outro e mesmo eu

que se separa e se encontra

na arte de se amar

Me revigora

com ou sem gozo

mas Gozo

da alegria de me tocar

me sentir

Acariciar

Sinto uma energia vindo do coração

e chega às minhas mãos

Agora, para a escrita

Há instantes, na minha vulva

Vulva, viva, absoluta

Força

e

Delicadeza

na Potência de ser Mulher

E pensar que já quis ser homem, hoje entendo que ainda não sabia dos presentes que meu próprio corpo abrigava

Tantas partes do meu corpo já foram mal querida, hoje as olho, com lágrimas nos olhos e gratidão no coração por serem como são

As lágrimas que escorrem me lembram da dor que é odiar a si mesmo, ainda que, em partes.

E toda essa indústria da estética separa, silenciosamente, dia após dia, nós de nosso próprio corpo.